segunda-feira, 9 de julho de 2012

Rita Guerra, além das espectativas.

         Quando anunciaram que mais uma vez um português iria cantar uma canção brasileira, torci o nariz, afinal sou brasileira, gosto de música e venho acompanhando esse programa ( Tua cara não me é estranha) desde o início e nunca tinha visto uma imitação das canções brasileiras que valesse a pena, são sempre caricaturas dos nossos cantores, eu entendo que não é fácil, pois nós (brasileiros) falamos geralmente os "es" fechados, ex: bebê e vocês portugueses os falam abertos, ex: bebés, esta é uma entre muitas diferenças fonéticas da Língua Portuguesa lá e cá, por isso fiquei a espera de mais uma desconstrução de personagens, de uma imitação grotesca, focada mais na comédia, como foi o caso do José Raposo a imitar o Martinho da Vila,


ou  como o Mico da Camara Pereira que para além de fazer uma péssima imitação do Roberto ainda entrou a mancar  na apresentação, o que foi, na minha opnião, um grande desrespeito ao Rei da música brasileira.



ainda houve uma Alcione e nesta eu sou perita, que muito deixou a desejar,



isso só para citar alguns entre outros artistas da música brasileira que foram sempre caricaturados. Bom vai dai que nesta onda de imitações eu não esperava que tudo pudesse mudar, depois logo com a Rita Guerra que os próprios portugueses (a maioria dos que conheço) consideram "chunga", eu por acaso até gosto da senhora, canta músicas de "dor de cotovelo" como dizemos no Brasil, mas não tinha grande espectativa, então ela sobe o tal elevador e o palco se abre aparece a figura, construida com muito cuidado, da Simone a elegância e sobriedade do caminhar, vestida de branco ( que a Simone "original" não abre mão nos shows) e eis que a senhora solta o vozeirão. Vibrei . . . Uhuhuhu, até que enfim surge alguém que consegue "imitar" o português do Brasil de forma plausível, foi fantástico, fiquei impressionada e muito feliz, até cantei junto e ao final me esvai em assobios a ovacionar esta cantora portuguesa de nome Rita Guerra que tão brilhantemente imitou a nossa brasileiríssima  e nacionalmente consagrada Simone.
          Foi um momento único, a imitação foi brilhante, a Rita conseguiu entender o "som" da forma de falar brasileira, sem fazer caricatura, e olha que a Simone é uma baiana que vive no Rio a muitos anos e tem os dois sotaques muito marcados.  Estou rendida a interpretação da Rita Guerra................Parabéns!





        

terça-feira, 22 de maio de 2012

Êxodo Português

Salve a todos!

   Hoje vim falar sobre a emigração portuguesa, não quero que os portugueses se coloquem na defensiva, não estou fazendo juízo de valores, nem generalizando as atitudes, mas não posso deixar de comentar as coisas que tenho ouvido nos últimos tempos. Acreditem que tentei não vir aqui com esse tema, mas não pude mais segurar a minha indignação.

   A situação econônica de Portugal não é segredo para ninguém. O país passa por um momento difícil; aumento de impostos, suspensão de benefícios, desemprego crescente, corrupção política e sobre tudo uma negatividade nacional quase insuportável. Esse cenário está provocando um êxodo dos portugueses, a maioria da população acha que a solução é emigrar. É ai que as coisas se voltam para o meu lado, o Brasil. Os portugueses estão buscando "a luz no final do túnel" em qualquer país, estão abandonando Portugal em grande número e muitos estão indo para o Brasil em busca do "el dourado", mas se esquecem estes amigos que o Brasil é hoje um país que a custo e sofrimento do seu próprio povo, está a erguer-se. Recebe de "mãos estendida" a todos os que lá chegam, mas aprendemos que o brasileiro é o que o Brasil tem de melhor e também aprendemos a valorizar-nos, não acreditem que ao chegar em terras brasileiras serão SENHORES DOUTORES, muito menos acreditem que vão ocupar os lugares dos nacionais do meu país, houve uma pátria que foi soberana a brasileira durante muito tempo, os U.S.A., mas já a muito foi deposta e nem a eles nós fazemos vénia hoje em dia.
   Tenho visto tanta coisa postada em facebook, jornais eletrônicos, blogs e sei lá mais onde sobre as dificuldades dos portugueses no Brasil, como são tratados, a burocracia , a lentidão e tantos outros percalços que lá encontram e me ponho a sorrir e pensar: " por que querem eles o que não dão?" ou "se lá está tão ruim por que continuam a ir para lá?" ou "o que esperavam eles?" ou "será que acreditaram que iriam chegar lá como se ainda fossemos uma colônia de Portugal?" Os portugueses julgam-se superiores aos brasileiros, não percebo por que é tão difícil aceitar que o progresso chega a todos mais cedo ou mais tarde e que em alguns aspectos ainda temos muito a aprender, mas em outros estamos a anos luz de Portugal e de muitos outros países, não há razão para essa "quebra de braços" que se instala por cá.
   Há muito que se faça em Portugal, tem muita terra para cultivar, muito a explorar  no setor da prestação de serviços e outras coisas mais, mas o português é em sua maioria senhor doutor  e não pode sujar as mãos na terra ou oferecer um produto feito em casa ao vizinho, tem que ser "do quadro" e para os meu compatriotas isso significa "trabalhar para o governo", ainda não aprenderam que podem e devem criar seus próprios trabalhos, que a privatização é salutar para a economia  e que não há vergonha em ser trabalhador por conta própria.
   O Brasil também esteve de rastos e foi a partir do abanão que levamos do Fernando Collor de Melo que começamos a reagir, sei que somos um país muito maior em extensão, mas a reação não é devido ao tamanho e sim a credibilidade do povo em seu próprio país, nem sempre é fácil, mas é necessário.
 Pessoalmente penso que "fugir" nunca é a melhor solução para nada, mas procuro entender que as pessoas reagem de forma diferente as adversidades da vida.  Desejo sorte a todos, os que emigram e os que ficam!

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Dia 14 de Abril - Dia Mundial do Café







Aqui (Portugal), ai (Brasil) ou em outro lugar qualquer deste imenso mundo o "cafezinho" é indispensável. Bebida multicultural; uns bebem muito quente, outros nem por isso e há até quem beba frio, forte, fraco, coado, expresso, em chávenas pequenas ou em copos - como nos USA - cimbalino, bica, italiana, curto, comprido, normal, cortado, abatanado, carioca de café, pingado, com açúcar ou adoçante, este "pretinho" está a toda hora em muitas mesas, quem é que nunca saboreou um café com um amigo ou amigos para rir, coscuvilhar, partilhar alegrias ou chorar tristezas? Quem nunca se serviu da deixa “Vamos tomar um café?” para convidar alguém para sair sem parecer demasiado óbvio? Quem nunca disse “Estou mesmo a precisar de um café!”, depois de uma noite mal dormida ou de uma refeição exagerada? Indispensável para acordar, para conviver, no final do almoço ou para fechar com "chave de ouro" um jantar.

Segundo minha personal Barista "um café deve ser saboreado, apreciado, degustado e não simplesmente bebibo." Existem diferenças entre a qualidade dos grãos, entre torrefação, moagem, tiragem e cada item deste pode interferir no sabor do café.

A verdade é que mais que a bebida, o hábito do "cafezinho" aproxima as pessoas, eu particularmente não bebo café, não há um motivo especial, não fui habituada e não aprecio o sabor, mas adoro o convivio que este hábito proporciona , por isso vale sempre o convite: que tal um cafezinho?